Home          Doença Celíaca e Sensibilidade ao glúten           Quem somos        Fale Conosco         

 

Doença Celíaca

Manual do Celíaco
Perguntas freqüentes
Materiais p/ Download
Sensibilidade ao glúten
Dieta sem Glúten
Dermatite Herpetiforme

Doença Celíaca e problemas bucais

Doenças associadas
Doenças Autoimunes
Diabéticos
Autistas
Síndrome de Down
Epilepsia
Alergia X Intolerância
Receitas sem Glúten 1
Receitas sem Glúten 2

Receitas para

Máquina de pão

Receitas diet s/ Glúten

Produtos sem Glúten

Onde Comprar
Notícias
Artigos Científicos
Artigos traduzidos
Livros publicados
Espaço Infantil
Leis e Documentos

Orientação para Restaurantes

 

 

Links Importantes:

clique para conhecer

 

 

Blog: Coleção de

 textos sobre glúten

 

 

RIOSEMGLUTEN

no

 

RIOSEMGLUTEN

no

 

 

Portal da

FENACELBRA 

 

Página da

ACELBRA-RJ

 

 

Guia de Restaurantes para Celíacos e Alérgicos em todo o mundo.

  

Revista

Vida Sem Glúten e Alergias

 

 

Informações para Turistas 

 

 Informaciones para los Turistas 

 

 Tourist  

 

 

Foto: Denise Videira

 

 

 

Laboratórios para análise de presença de glúten em alimentos:

 

LABCAL - UFSC

www.labcal-cca.ufsc.br/

labcal@cca.ufsc.br

 

 Rod. Ademar Gonzaga, 1346 Itacorubi - Florianópolis - SC CEP 88034-001

TEL (48) 3721-5391 

(48) 3721-5392 

FAX (48) 3334-2047

 

 

Food Intelligence - SP

www.foodintelligence.com.br

 

LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS LTDA

Rua Pássaros e Flores, 141 Bairro Jardim das Acácias

São Paulo - SP

CEP 04704000

Tel (11) 5049.2772

Fax (11) 5049.2100

 

 

RECEITAS sem glúten

Blogs:

 

Sabores da Cozinha
sem glúten

(Josy Gomez)

 

Cozinhando sem glúten

(Gilda Moreira)

 

Receitas sem glúten e sem leite da Claudia Marcelino

 

 


Débora Pusebon

Sem gluten sem lactose

 

                                                                                                                                                      

Scientific Electronic Library Online

 
  author indexsubject indexsearch form
 

Arquivos de Neuro-Psiquiatria
Print ISSN 0004-282X

 


Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.60 no.3B  São Paulo Sept. 2002

 

doi: 10.1590/S0004-282X2002000500028

Curriculum ScienTI
How to cite this article

CALCIFICAÇÃO INTRACRANIANA OCCIPITAL BILATERAL, EPILEPSIA E DOENÇA CELÍACA

Relato de Caso

Carlos Henrique Souza Santos1, Iara Leda Brandão de Almeida1, Maria Durce Costa Gomes1, Alexandre Serafim1, Mariana Machado Pereira2, Mauro Muszkat3, Sueli Rizzutti4, Francy Reis da Silva Patrício5, Mônica Carolina Miranda6, Luiz Celso Pereira Vilanova7

RESUMO - Relatamos o caso de uma menina com 6 anos de idade que apresentava episódios recorrentes de diarréia desde os 6 meses de vida associada a anemia ferropriva com desenvolvimento neuromotor normal. Aos 3 anos de idade começou a apresentar crises parciais que foram controladas com carbamazepina. Tomografia computadorizada de crânio aos 5 anos demonstrou calcificações girais grosseiras nas regiões occipital e parietal posterior bilateralmente. A ressonância magnética de crânio evidenciou áreas de hipossinal em T2 na região parieto-occipital bilateralmente. Realizou investigação para síndrome de mal absorção incluindo estudo da função digestivo/absortiva (teste D-xilose), avaliação sorológica (anticorpos antigliadina, antiendomísio e antitransglutaminase) e biopsia de intestino delgado que demonstrou intensa atrofia de vilosidades com infiltrado linfoplasmocitário no córion compatível com doença celíaca.

PALAVRAS–CHAVE: doença celíaca, epilepsia, calcificação intracraniana.

 

Bilateral occipital calcification, epilepsy and coeliac disease: case report

ABSTRACT – We report a case of a six-year-old girl with frequent diarrhea episodes associated with ferroprive anemia from 6 months of age, normal neuromotor development and partial seizures initiated in her 3rd year which was controlled with carbamazepine. CT scan in her 5th year of age demonstrated gyral calcifications in the occipital and posterior parietal regions bilaterally. MRI has shown low signal areas in the axial T2 sequences corresponding to the gyral calcifications evident on the CT. Blood investigation for coeliac disease with antigliadin, endomysial and transglutaminase antibodies was positive and the intestinal biopsy has showed villous atrophy associated with an increased number of intraepithelial lymphocytes and hypertrophic criptae compatible with coeliac disease.

KEY WORDS: coeliac disease, epilepsy, intracranial calcification.

 

A doença celíaca (DC) é afecção genética, mediada pelo sistema imunológico e caracterizada como enteropatia inflamatória crônica que acomete principalmente o intestino delgado. Ocorre em crianças e adultos, com gravidade clínica variável. Os sintomas resultam da hipersensibilidade à ingestão de glúten na dieta, com consequente repercussão na absorção de vários nutrientes. A apresentação clínica da DC é variável. A forma clássica é a mais frequente e se inicia entre o 6º e o 12º meses de vida, manifestando-se com quadro de diarréia crônica, vômitos, irritabilidade, anorexia, déficit de crescimento, distensão abdominal, diminuição do tecido celular subcutâneo e atrofia da musculatura glútea1,2. Podem ocorrer a forma frusta ou oligossintomática em que a diarréia e a distensão abdominal são achados constantes, porém sem comprometimento estatural significativo e formas atípicas em que o sintoma predominante, que é a diarréia, pode estar ausente.

Várias manifestações neurológicas podem ocorrer em associação com doença celíaca e incluem mielopatia, encefalopatia progressiva, encefalites, leucoencefalopatia progressiva e multifocal, ataxia cerebelar, demência, neuropatia periférica e miopatia3,4. Epilepsia com crises originadas no lobo occipital com calcificações cerebrais córtico-subcorticais envolvendo as regiões posteriores bilateralmente foram descritas em adultos e crianças5-19. A patogênese das manifestações neurológicas associadas à DC permanece desconhecida assim como o mecanismo pelo qual se desencadeia a sensibilização ao glúten20. A susceptibilidade à DC é geneticamente determinada, tendo-se demonstrado a associação positiva com antígenos de histocompatibilidade (HLA) de classe II, HLA-DR3 e HLA-DQ2. A maioria dos pacientes com DC DR3 negativos são DR5/DR7 heterozigotos. Os genes DQA1 0501 e DQB1 0201 estão localizados no mesmo cromossomo em indivíduos DR3, enquanto estão localizados em cromossomos opostos em indivíduos heterozigotos DR5/DR7. A susceptibilidade primária na maioria dos pacientes, 90%, é devida ao heterodímero DQ (A1 0501 e B1 0201), isto é, DQ2. Cerca de 2% a 10% dos indivíduos que não levam DQ( A1 0501 e B1 0201) apresentam diferentes variantes de DR4 e DQ321-23. No Brasil, os alelos de susceptibilidade observados em pacientes celíacos são semelhantes àqueles descritos em outras etnias HLA DRB* 03, HLA DRB1* 07 e HLADQB* 0224.

CASO

Menina de 6 anos de idade, única filha de casal não consanguíneo, sem antecedentes gestacionais e perinatais, sem antecedentes familiares, e desenvolvimento neuromotor adequado. Evoluiu com episódios recorrentes de diarréia desde os 6 meses de vida associados a distensão abdominal persistente e anemia. Aos 3 anos de idade, iniciou episódios em vigília, caracterizados por cefaléia seguida de versão da cabeça e dos olhos para direita e clonias em hemicorpo direito com perda da reatividade, inicialmente sem resposta ao tratamento com fenobarbital e ácido valpróico, sendo porém controlada com o uso de carbamazepina. Não há relato de crises com fenômenos visuais. O exame clínico geral demonstrava peso no percentil 25 e estatura no percentil 3, além de palidez cutâneo-mucosa e distensão abdominal evidente, não sendo evidenciada a presença de angioma facial. O exame neurológico era normal. Exames realizados incluíram: hemograma que evidenciou anemia ( HB: 8,8 VR: 13,5-16,4g/dl), ferritina sérica < 1,5 (VR: 9-120ng/ml), Ferro sérico: 21 (VR:37-145mcg/dl), ácido fólico: 2 (VR: 1,1-20ng/ml), vitamina B12: 672,3 (VR: 211 a 911pg/ml), ionograma(Ca e P), função renal, hepática, glicemia, lactato sérico, e gasometria venosa normais. Sorologias (TORCHS) e HIV foram negativas. Avaliação oftalmológica e eletrencefalograma foram normais.

Tomografia computadorizada de crânio aos 5 anos de idade demonstrou calcificações girais nas regiões occipital e parietal posterior, bilateralmente (Fig 1). Ressonância magnética de crânio evidenciou áreas de hipossinal em T2 na região parieto-occiptal bilateralmente (Fig 2).

 

 

 

 

A investigação para doença celíaca incluiu teste de D-xilose: 14,4 mg/dl (nl: >30mg/dl), IgA anti-transglutaminase: 44 unid (VR: reagente >35 unid), IgA antigliadina: 8,8 (VR: ³3), IgG antigliadina: 4,7 (VR: ³5), IgA anti-endomísio: até 1/40 (VR: não reagente) significativo se ³1/10. Biópsia de intestino delgado demonstrou intensa atrofia de vilosidades com infiltrado linfoplasmocitário no córion compatível com doença celíaca (Fig 3).

 

 

O exame neuropsicológico mostrou inteligência na faixa média com disfunções em testes especiais de execução.

DUSCUSSÃO

O principal diagnóstico diferencial restringiu-se à síndrome de Sturge-Weber (SW) sem nevus facial, da qual nosso caso distinguiu-se, em acordo com os relatos na literatura, pelas seguintes características: ausência de sinais cutâneos de facomatoses, ausência de déficts neurológicos, ausência de atrofia lobar ou hemisférica ao exame de imagem (sempre presente na síndrome de SW), localização bilateral das calcificações (frequentemente unilateral na síndrome de SW), calcificações córtico-subcorticais (principalmente cortical na síndrome de SW) e ausência de realce após administração de contraste à ressonância magnética (Gd-DTPA), não sendo demonstrada a presença de angioma pial que é considerado o mais importante critério para o diagnóstico radiológico da síndrome de SW25.

Nossa paciente também apresentava evidências de uma síndrome de mal absorção caracterizada por episódios recorrentes de diarréia, anemia ferropriva, deficiência de ácido fólico, distensão abdominal e déficit estatural. A confirmação da síndrome de mal absorção foi realizada pelo teste de absorção da D-xilose e pela biópsia intestinal que foi compatível com doença celíaca. Em relação à aquelas epilepsia, à crises podem ser parciais ou generalizadas variando desde aquelas facilmente controladas a casos refratários. As crises originadas do lobo occipital em pacientes celíacos epilépticos são comuns. A relação entre calcificações córtico-subcorticais e epilepsia não está totalmente estabelecida na literatura, uma vez que a evolução da epilepsia parece ser independente da existência das lesões occipitais; a epilepsia pode ser uma manifestação precoce da doença e as calcificações cerebrais desenvolverem-se mais tardiamente.

Os mecanismos que levam às calcificações cerebrais permanecem incertos. A deficiência de ácido fólico foi sugerida, porém esta é uma das anormalidades bioquímicas mais comuns nos casos de DC sem complicações. A possibilidade de um processo inflamatório endotelial mediado por imuno-complexos também foi proposta, em decorrência da associação existente entre DC e algumas doenças auto-imunes; entretanto isto não explica a localização cortical e subcortical principalmente occipital das calcificações. A autópsia de um paciente com doença celíaca demonstrou a presença de deposição de cálcio ao longo dos pequenos vasos e dentro dos neurônios. A espectroscopia por raio-X das áreas calcificadas, revelou a presença de cálcio e sílica nas lesões, sugerindo a possibilidade da toxicidade pela sílica estar relacionada à fisiopatologia das lesões cerebrais e das crises epilépticas, porém a forma como isto ocorre permanece incerta26. Introduzida imediatamente após o início da epilepsia e numa idade precoce, a dieta isenta de glúten é eficaz para em controlar as crises epilépticas27.

Em conclusão, a importância deste relato está em reafirmar que a doença celíaca deve ser lembrada em todos os casos de epilepsia e calcificações cerebrais de origem incerta, especialmente quando a epilepsia é caracterizada por crises occipitais e as calcificações estão localizadas nas regiões posteriores bilateralmente. Ressaltamos ainda que, em muitos casos, os sintomas neurológicos podem constituir-se nas manifestações mais precoces e predominantes em pacientes com formas atípicas ou oligossintomáticas da doença celíaca.

 

REFERÊNCIAS

1. Barbieri D. Doença celíaca. In Marcondes E. Pediatria básica. Ed.8. São Paulo: Sarvier, 1991:1186-1191.

2. Visakorpi JK. O diagnóstico da doença celíaca. Anais Nestlé 1995;51:1-8.

3. Ghezzi A, Filippi M, Falini A, Zaffararoni M. Cerebral involvement in celiac disease: a serial MRI study in a patient with brainstem and cerebellar symptoms. Neurology 1997;49:1447-450.
        [ Medline ]

4. Luostarinen L, Pirttilä T, Collin P. Coeliac disease presenting with neurology disorders. Eur Neurol 1999;42:132-135.

5. Garwicz S, Mortensson W. Intracranial calcifications mimicking the Sturge-Weber syndrome (a consequence of cerebral folic acid deficiency?). Pediatr Radiol 1976;5:5-9.

6. Gonçalves e Silva GE. Síndrome epiléptica associada a calcificações occipitais bilaterais, sem doença celíaca. Neurobiologia (Recife) 1999;62:61-64.

7. Gugliantini P, Carnevale E, Fariello G, et al. Calcificazioni endocraniche simulanti la sindrome di Sturge-Weber. Riv Ital Pediatr 1979;5:851-855.

8. Monteni N, Bardella MT, Baldassarri AR, Bianchi PA. Celiac disease associated with epilepsy and intracranial calcifications: report of two patients. Am J Gastroenterol 1988;83:992-994.

9. Zaniboni MG, Lambertini A, Romeo N, et al. Celiac disease and epilepsy with occipital calcification: an uncasual association. Abstracts Book 1st Joint Meeting British Society of Paediatric Gastroenterology and Nutrition and Societá Italiana di Pediatria, 1989:54.

10. Ambrosetto G, Antonini L, Tassinari A. Occipital lobe seizures related to clinically asymptomatic celiac disease in adulthood. Epilepsia 1992;33:476-481.
        [ Medline ]

11. Gobbi G, Bouquet F, Greco L, et al. Coeliac disease, epilepsy, and cerebral calcifications. Lancet 1992;340:439-443.

12. Tiacci P, D' Alessandro P, Cantisani TA, et al. Epilepsy with bilateral occipital calcifications: Sturge-Weber syndrome or a different encephalopathy? Epilepsia 1993;34:528-539.
        [ Medline ]

13. Sammaritano M, Andermann F, Melanson D, et al. The syndrome of intractable epilepsy, bilateral occipital calcifications, and folic acid deficiency. Neurology 1988;38 (Suppl 1):239.

14. Fois A, Balestri P, Vascotto M, et al. Progressive cerebral calcifications, epilepsy, and celiac disease. Brain Dev 1993;15:79-82.
        [ Medline ]

15. Magaudda A, Dalla Bernardina B, De marco P, et al. Bilateral occipital calcification, epilepsy and coelic disease: clinical and neuroimaging features of a new syndrome. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1993;56:885-889.

16. Piattella L, Zamponi N, Cardinali C, Porfiri L, Tavoni MA. Endocranial calcifications, infantile celiac disease, and epilepsy. Childs Nerv Syst 1993;9:172-175.
        [ Medline ]

17. Dickey W. Epilepsy, cerebral calcification, and coelic disease. Lancet 1994; 344:1585-1586.

18. Bye AME, Andermann F, Robitalle Y, Bohane T, Andermann E. Cortical vascular abnormalities in the syndrome of celic disease, epilepsy, bilateral occipital calcifications, and folate deficiency. Ann Neurol 1993;34:399-403.

19. La Mantia L, Pollo B, Savoiardo M, et al. Meningo-cortical calcification calcifying angiomatosis and celiac disease. Clin Neurol Neurosurg 1998;100:209-215.

20. Kennedy NP, Feighery C. Clinical features of coelic disease today. Biomed & Pharmacother 2000;54:373-380.

21. Murch S, Walker-Smith J. A imunologia da doença celíaca. Anais Nestlé 1995; 52:18-25.

22. Sdepanian VL, Morais MB, Neto UF. Doença celíaca: a evolução dos conhecimentos desde sua centenária descrição original até os dias atuais. Arq Gastroenterol 1999;36 (Suppl 4) 244-257.
        [ SciELO ]

23. Ribeiro EM, Gonçalves LM. Aspectos imunológicos da doença celíaca Pediatria Moderna 2001;37 (Suppl 8) 375-383.

24. Silvia EMBT, Fernandes MIM, Donadi EA, Galvão LC. Tipagem de alelos HLA-classe II em pacientes brasileiros caucasóides portadores de doença celíaca. J Pediatr 2000;76 (Suppl 1) 546.

25. Pascual-Castroviejo I, Pascual-Pascual SL, Viano J, Martinez V, Coya J. Sturge-Weber syndrome without facial nevus. Neuropediatrics 1995;26:220-222.
        [ Medline ]

26. Toti P, Balestri P, Cano M, et al. Celiac disease with cerebral calcium and silica deposits. Neurology 1996;46:1088-1092.
        [ Medline ]

27. Crawford JM. The gasintestinal tract. In Cotran RS, Kumar V, Robbins SL Pathologic basis of disease. Ed.5. Philadelphia: Saunders, 1994:797-798.

 

 

Setor de Neurologia Infantil, Departamento de Patologia e Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, São Paulo SP, Brasil (UNIFESP-EPM): 1Neurologista Infantil; 2Preceptora dos Residentes do Setor de Neurologia Infantil;3 Doutor em Neurologia;4Mestre em Neurologia; 5Professora Adjunta do Departamento de Patologia; 6Mestre em Psicobiologia; 7Professor Adjunto, Chefe do Setor de Neurologia Infantil

Recebido 19 Novembro 2001, recebido na forma final 1 Abril 2002. Aceito 17 Abril 2002.

Dra. Iara L. Brandão de Almeida – Rua Botucatu 740 – 04023-900 São Paulo SP - Brasil. E-mail: iabran@uol.com.br

 

© 2006  Associação Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Pça. Amadeu Amaral, 47 cj. 33
01327-010 São Paulo SP Brazil
Tel.: +55 11 287-6600
Fax: +55 11 289-8879



 

Empresas que

apoiam o Projeto

"Celíacos na UEZO"

 

 

 

 

 

Organizações

 que apoiam o projeto
"Celíacos na UEZO":

Site www.riosemgluten.com

 

 

 

Licença Creative Commons
This work by www.riosemgluten.com is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.

                                                                                                                                Última atualização: 12 julho, 2014