Home          Doença Celíaca e Sensibilidade ao glúten           Quem somos        Fale Conosco         

 

Doença Celíaca

Manual do Celíaco
Perguntas freqüentes
Materiais p/ Download
Sensibilidade ao glúten
Dieta sem Glúten
Dermatite Herpetiforme

Doença Celíaca e problemas bucais

Doenças associadas
Doenças Autoimunes
Diabéticos
Autistas
Síndrome de Down
Epilepsia
Alergia X Intolerância
Receitas sem Glúten 1
Receitas sem Glúten 2

Receitas para

Máquina de pão

Receitas diet s/ Glúten

Produtos sem Glúten

Artigos Científicos
Artigos traduzidos
Livros publicados
Espaço Infantil
Leis e Documentos

Orientação para Restaurantes

 

 

 

Links Importantes:

clique para conhecer

 

 

Coleção de

 textos sobre glúten:
Blog Dieta sem Glúten

 

 

RIO SEM GLÚTEN

no

Instagram

@rio_sem_gluten

 

 

RIO SEM GLÚTEN

no

Facebook

www.facebook.com/riosemgluten

 

WEB APLICATIVO
(app gratuito para navegar no

 computador e no celular)
http://app.vc/riosemgluten

 

 

 

ACELBRA

Associção dos Celíacos do Brasil

 

 

Portal da

FENACELBRA 

 

 

Página da

ACELBRA-RJ

Associação de Celíacos do RJ

 

 

 

 

Laboratórios para análise de presença de glúten em alimentos:

 

LABCAL - UFSC

www.labcal-cca.ufsc.br/

labcal@cca.ufsc.br

 

 Rod. Ademar Gonzaga, 1346 Itacorubi  Florianópolis - SC CEP 88034-001

TEL (48) 3721-5391 

(48) 3721-5392 

FAX (48) 3334-2047

 

 

Food Intelligence - SP

www.foodintelligence.com.br

 

LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS LTDA

Rua Pássaros e Flores, 141 Bairro Jardim das Acácias

São Paulo - SP

CEP 04704000

Tel (11) 5049.2772

Fax (11) 5049.2100

 

 

CEREAL CHOCOTEC - ITAL

http://www.ital.sp.gov.br/cerealchocotec/

 

Laboratório de Análise de Alimentos

 

chocotec@ital.sp.gov.br ,
cerealchocotec@ital.sp.gov.br

Av. Brasil, 2880
Campinas - SP
CEP 13070-178

TEL (19) 3743-1960

(19) 3743-1961

FAX (19) 3743-1963

 

 

 

Kits para teste doméstico

 e empresas de

produtos sem glúten:

 

3M - teste em superfícies
http://site.cqaquimica.com.br

GlutenTox
https://glutentox.com/

 

EZ Gluten

https://www.ezgluten.com/

 

 

 

RECEITAS sem glúten

Blogs:

 

Sabores da Cozinha
sem glúten

(Josy Gomez)

 

Cozinhando sem glúten

(Gilda Moreira)

 

Receitas sem glúten e sem leite da Claudia Marcelino


 

My Delishville

Receitas sem glúten da

 Leila Zandona

 

 

Doença celíaca: repercussões na 

mineralização óssea
 


Gisélia Alves Pontes da Silva
J.  Pediatr. (Rio J) 2003;79(4):282-3

 

Até recentemente, a doença celíaca (DC) era considerada rara; acreditava-se que ela afetava sobretudo as crianças, e que se manifestava clinicamente de forma exuberante e característica. Com o surgimento dos testes sorológicos específicos a partir de 1980, tornou-se possível a investigação de um maior número de pessoas através de screening populacional, sendo identificado um grande número de portadores de DC nas diversas faixas etárias. As formas clássicas, consideradas estágios avançados de doença, são cada vez mais raras, e a maioria dos indivíduos portadores de DC apresentam poucos sintomas, sutis e inespecíficos, o que requer do médico conhecimento e perspicácia para pensar no diagnóstico (1).

Os indivíduos portadores de DC, não diagnosticados ou negligenciados, apresentam um maior risco de morbiletalidade a médio ou longo prazo (2). Nos últimos anos, tem sido chamada a atenção para o fato de que a DC predispõe a anormalidades ósseas e a alterações no metabolismo do cálcio, resultando em osteomalácia, osteoporose e raquitismo (2-4). A patogênese da osteopenia não é completamente esclarecida, mas o desenvolvimento de hipocalcemia (por má absorção de cálcio) é provavelmente o evento central que poderá levar a outros distúrbios, particularmente aos níveis elevados de paratormônio e reabsorção óssea (2).

Carvalho et al. (5), em interessante artigo nesse número do Jornal de Pediatria, mostram uma redução na densidade mineral óssea em um grupo de adolescentes com diagnóstico de doença celíaca e em dieta isenta de glúten, a pelo menos um ano. Chama a atenção o fato de o diagnóstico ter sido realizado após os dois anos na maioria dos pacientes estudados, o que desperta a curiosidade para saber a forma de apresentação clínica desses pacientes e o tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico, a fim de se ter um melhor entendimento das repercussões da doença nas funções digestivo-absortivas. O fato do grupo de adolescentes celíacos apresentar uma diferença importante na média da estatura em relação aos adolescentes do grupo controle sugere um agravo nutricional crônico, uma vez que o grupo de estudo foi semelhante em relação ao estadiamento puberal. Talvez a alteração observada em relação à densidade mineral óssea esteja associada a um retardo do diagnóstico, e, conseqüentemente, do início do tratamento. Portanto, nesse grupo de pacientes, é de grande importância que seja assegurada a adesão à dieta isenta de glúten, objetivando minimizar as alterações ósseas. Nas crianças não foram observadas diferenças em relação a esse parâmetro, mas é importante lembrar que o tamanho amostral não foi estimado para essa faixa etária, o que torna o resultado não conclusivo, uma vez que a amostra foi pequena.

Walters et al. (6) observaram osteopenia em pacientes que não seguiam a dieta de isenção de glúten e naqueles com pouco tempo de tratamento, mas observaram densidade óssea normal naqueles que aderiam à dieta há pelo menos três anos.

A importância do estudo de Carvalho et al. (5) reside no fato de chamar a atenção para a necessidade do diagnóstico precoce, assim como para a instituição da dieta isenta de glúten, com o objetivo de reduzir a morbidade da doença, especialmente quanto ao comprometimento da massa óssea. Considerando que a massa óssea é definida antes dos 20 anos, a identificação precoce de possíveis portadores de doença celíaca é de fundamental importância. Szathmári et al. (3) não observaram diferença entre a densidade mineral óssea em um grupo de crianças e adolescentes celíacos em dieta isenta de glúten há mais de três anos, embora tenham observado repercussão no tamanho dos ossos.

Esses dados, somados a outras evidências, embasam a necessidade de se implementar em curto prazo uma triagem em nível populacional objetivando a identificação precoce da doença, pois assim reduziria a chance dos portadores de DC apresentarem morbidade residual. Por outro lado, a adesão à dieta é, à luz do conhecimento atual, a medida mais importante para assegurar mineralização óssea normal a crianças e adolescentes celíacos.

Quando o diagnóstico da doença celíaca é feito em adultos, a adesão à dieta não garante a normalização da densidade mineral óssea, portanto essa seria uma população de risco para a ocorrência de fraturas. Recentemente, Thomason et al. (7) estudaram 244 pacientes que tiveram o diagnóstico de DC na vida adulta e compararam a ocorrência de fraturas com 161 controles, e não observaram diferenças entre os dois grupos. Di Stefano et al. (8) chamam a atenção para co-variáveis que precisam ser analisadas, quando se estuda a associação entre DC e osteopenia/osteoporose em adultos, tais como sexo, atividade física, exposição ao sol, hábito de fumar e gravidade da doença. É certo que estudos de seguimento com pacientes nas diversas formas de apresentação clínica da doença, e que levem em consideração o tempo da doença antes do diagnóstico e se há adesão à dieta, irão trazer maiores subsídios para o entendimento do problema.

A indicação de dieta sem glúten por toda vida para os portadores da DC é um consenso internacional, embora nas formas ditas assintomáticas, seja, por vezes, questionada. Como as alterações histológicas do intestino delgado podem ser as mesmas daqueles com sintomas, assume-se que mesmo os indivíduos assintomáticos correm riscos em longo prazo, e devem ser colocados em dieta isenta de glúten (9). Os pacientes portadores das formas silenciosas ou com sintomatologia discreta estão possivelmente sujeitos a um maior risco de agravos à saúde, devido à dificuldade do diagnóstico e ao retardo na introdução da dieta

 

 

 

 

Empresas de Celíacos e suas famílias:
clique nas imagens

                               

Clube Gluten Free Land!

O primeiro clube de assinatura de alimentos sem glúten,

sem lactose e

até mesmo veganos,

desenvolvido por celíacos, como você.

Entregas em todo o Brasil!

 

Loja Virtual - produtos s/ glúten

Entregas p/ todo o Brasil

 

 

Loja Virtual - produtos s/glúten

Entregas em todo o Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
This work by www.riosemgluten.com is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.

                                                                                                                                Última atualização: 15 outubro, 2017