Home          Doença Celíaca e Sensibilidade ao glúten           Quem somos        Fale Conosco         

 

Doença Celíaca

Manual do Celíaco
Perguntas freqüentes
Materiais p/ Download
Sensibilidade ao glúten
Dieta sem Glúten
Dermatite Herpetiforme

Doença Celíaca e problemas bucais

Doenças associadas
Doenças Autoimunes
Diabéticos
Autistas
Síndrome de Down
Epilepsia
Alergia X Intolerância
Receitas sem Glúten 1
Receitas sem Glúten 2

Receitas para

Máquina de pão

Receitas diet s/ Glúten

Produtos sem Glúten

Onde Comprar
Notícias
Artigos Científicos
Artigos traduzidos
Livros publicados
Espaço Infantil
Leis e Documentos

Orientação para Restaurantes

 

 

Links Importantes:

clique para conhecer

 

 

Blog: Coleção de

 textos sobre glúten

 

 

RIOSEMGLUTEN

no

 

RIOSEMGLUTEN

no

 

 

Portal da

FENACELBRA 

 

Página da

ACELBRA-RJ

 

 

Guia de Restaurantes para Celíacos e Alérgicos em todo o mundo.

  

Revista

Vida Sem Glúten e Alergias

 

 

Informações para Turistas 

 

 Informaciones para los Turistas 

 

 Tourist  

 

 

Foto: Denise Videira

 

 

 

Laboratórios para análise de presença de glúten em alimentos:

 

LABCAL - UFSC

www.labcal-cca.ufsc.br/

labcal@cca.ufsc.br

 

 Rod. Ademar Gonzaga, 1346 Itacorubi - Florianópolis - SC CEP 88034-001

TEL (48) 3721-5391 

(48) 3721-5392 

FAX (48) 3334-2047

 

 

Food Intelligence - SP

www.foodintelligence.com.br

 

LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS LTDA

Rua Pássaros e Flores, 141 Bairro Jardim das Acácias

São Paulo - SP

CEP 04704000

Tel (11) 5049.2772

Fax (11) 5049.2100

 

 

RECEITAS sem glúten

Blogs:

 

Sabores da Cozinha
sem glúten

(Josy Gomez)

 

Cozinhando sem glúten

(Gilda Moreira)

 

Receitas sem glúten e sem leite da Claudia Marcelino

 

 


Débora Pusebon

Sem gluten sem lactose

 

                                                                                                                                              

ABC do CELÍACO


(Elaborado por Glaucia Esteves da Silva em 22/11/08 - ACELBRA-AL)



A. ALIMENTAÇÃO: A alimentação de forma correta, sem a presença do GLÚTEN, é o único tratamento para a DOENÇA CELÍACA (DC). É necessário uma reeducação alimentar onde os alimentos que contém glúten devem ser substituídos . Deve-se tomar cuidado com a contaminação dos alimentos com o glúten, pois mesmo traços do glúten nos alimentos podem desencadear os sintomas. Uma vez estabelecido com segurança o diagnóstico, A DIETA TERÁ DE SER CUMPRIDA DURANTE TODA A VIDA.


B. BIÓPSIA: A Biópsia do intestino delgado(BID) é um exame realizado para esclarecer ou confirmar o diagnóstico de Doença Celíaca, também chamada de enteropatia por glúten. Através do exame de endoscopia com biópsia um pedaço do intestino é retirado (preferencialmente, da junção duodeno-jejunal) para análise ao microscópio. Somente através deste exame é que pode haver o diagnóstico definitivo da DC. Mas outros exames iniciais como os exames de sangue são muito utilizados na detecção da DC. Os exames do anticorpo anti-transglutaminase tecidular (AAT) e do anticorpo anti-endomício (AAE) são altamente precisos e confiáveis, mas insuficientes para a confirmação de um diagnóstico. A assertiva atual para o diagnóstico de DC é a combinação dos testes sorológicos( IgA e IgG) com a biópsia intestinal..


C. CELÍACO: Denominação dos portadores da DC. Celíacos são aqueles que não podem consumir Glúten. Cerca de um a cada 214 doadores de sangue , moradores  de SP tem DC. Acredita-se que existam cerca de 300 mil brasileiros celíacos. A DC é uma doença auto-imune e provoca danos na mucosa do intestino delgado.


D. DIARRÉIA: É um dos principais sintomas da DC. A diarréia crônica  característica da DC é pálida, volumosa e mau-cheirosa. O celíaco pode apresentar fortes dores abdominais e câimbras, distensão abdominal e úlceras na boca. Porém, em alguns casos os portadores de DC podem apresentar prisão de ventre(cerca de 5% dos adultos). Outros sintomas são: pouco ganho no peso, atraso no crescimento, anemia, osteoporose, erupção na pele que faz coçar chamada dermatite herpetiforme, entre outros.


E. EMAGRECIMENTO: As deficiências nutricionais resultantes da má absorção na doença celíaca podem provocar sintomas como emagrecimento e déficit de crescimento em crianças celíacas.

F. FARINHA: Existem muitos tipos de farinha. A farinha é um pó desidratado rico em amido. No caso dos portadores de DC a farinha de trigo usada principalmente para se fazer pães e bolos deverá ser substituída pela farinha sem glúten, a fécula de batata, o amido de milho, a farinha de arroz entre outras.


G. GLÚTEN:  Proteína encontrada nas sementes de muitos cereais (trigo, cevada, centeio, aveia, triticale, malte e painço e em todos os seus derivados, como a farinha, farelos, germe,etc). O glúten é responsável pela elasticidade da massa da farinha, o que permite sua fermentação, assim como a consistência elástica esponjosa dos pães e bolos. A GLIADINA é um dos componentes do trigo que irrita a mucosa intestinal do portador da DC. O glúten é formado a partir da gliadina e da glutenina, duas proteínas. Ele está presente em quase todos os alimentos: flocos de cereais, massas, pães, biscoitos e alimentos industrializados. Qualquer quantidade de Glúten, por mínima que seja, é prejudicial para o celíaco.

H. HEREDITARIEDADE: Esta doença tem como principal causa um erro inato do metabolismo, ou seja, um erro desde à formação do DNA de um indivíduo. Outra causa é a sensibilidade imunológica à gliadina (uma proteína) no intestino delgado. Cerca de 10% dos familiares de um celíaco têm o problema sem desenvolver os sintomas. A doença é fortemente hereditária, mas geneticamente complexa: A doença é familial mesmo que os sintomas sejam mínimos ou inexistente; há cerca de 70% de concordância em gêmeos homozigóticos; é infreqüente em determinados grupos étnicos (orientais e negros). Os riscos são maiores em pessoas brancas e com outras doenças auto-imunes como diabetes melitos, síndrome de Down (SD) e Tireoideopatias. Há diferença quanto a freqüência em relação ao sexo feminino e masculino (2:1).


I. INTOLERÂNCIA: A DC se caracteriza pela intolerância do tipo alérgica ao glúten, ou seja, o celíaco não pode comer nada com glúten. Pesquisas revelam que os celíacos possuem uma maior predisposição ao câncer do intestino delgado.

J. JEJUNO: Nome dada a segunda porção do intestino delgado, compreendida entre o duodeno e o íleo. No caso dos celíacos que não seguem uma dieta isenta de glúten as vilosidades desta região do intestino encontram-se atrofiadas, o que causa prejuízos na absorção dos nutrientes.

K. VITAMINA K: Vitamina K é um nome genérico para várias substâncias necessárias a uma coagulação normal do sangue. A forma principal é a vitamina K1 (filoquinona), que se encontra nas plantas, especialmente nos vegetais de folhas verdes. Além disso, as bactérias presentes no intestino delgado e no cólon produzem vitamina K2 (menaquinona), que pode ser absorvida, embora em menor grau. Como a vitamina K é solúvel nas gorduras, as perturbações que interferem com a absorção dos lípidos, como a doença celíaca, podem provocar uma carência de vitamina K nas crianças e nos adultos.


L. LACTOSE: É o açúcar presente no leite. A lactose é um dissacarídeo, formado pela união de uma molécula de glicose com outra de galactose. Para este açúcar ser quebrado e aproveitado pelo organismo ele precisa da ação de uma enzima chamada lactase. Tal enzima fica na superfície da mucosa intestinal. Por conta das lesões na mucosa intestinal algumas portadores de DC não sintetizam a lactase, como conseqüência a lactose não poderá ser hidrolisada, permanecendo no intestino, atraindo água para a região e provocando diarréia ácida e gasosa, excesso de gases, cólicas e aumento no volume abdominal. Como a  DC pode levar a intolerância secundária a lactose faz-se necessário repor cálcio e vitamina D para prevenção de osteomalácia.


M. MALTE: O malte é  um extrato xaroposo de cereal tal qual a cevada e o centeio, usado na fabricação de bebidas como a cerveja e o uísque, ou costumeiramente bebido misturado ao leite. O malte, assim como o trigo, a cevada, a aveia e o centeio possui glúten e não deve ser consumidos por portadores de DC.


N. NUTRICIONISTA: O nutricionista é o profissional da saúde apto para ajudar o celíaco na sua reeducação alimentar, atuando na melhoria significativa da sua qualidade de vida.


O. OBRIGATÓRIO: É obrigatório por lei federal (Lei nº 10.674, de 16/05/2003) que todos os alimentos industrializados informem em seus rótulos a presença ou não de glúten para resguardar o direito à saúde dos portadores de doença celíaca.

P. PROTEÇÃO: os celíacos do Brasil conseguiram que o Governo Federal aprovasse a LEI 10674/2003, que obriga aos fabricantes de  produtos alimentícios a inscrição no rótulo, indicando se o produto "Contém Glúten" ou "Não contém glúten".

 


Q. QUINUA: É um cereal muito rico em proteína e uma excelente fonte de carboidrato com baixo índice glicêmico, ou seja, ela leva mais tempo para ser transformado em açúcar no sangue, isso evita a produção excessiva de insulina. A quinua é isenta de glúten e pode ser consumida por portadores de DC. Vários pratos podem ser preparados com quinua. Desde um simples acompanhamento cujo preparo é como o do arroz, até sopas, tortas em que se substitui a farinha de trigo pela farinha de quinua, panquecas, saladas e etc.


R. RESTRIÇÃO:  Essa é a palavra que define a vida de um celíaco. No caso da DC, a restrição deve ser a qualquer alimento que possui GLÚTEN na sua composição.


S. SINTOMAS: Quando o intestino de um celíaco tem de suportar uma alimentação sem restrições, o glúten dos cereais habitualmente consumidos vai provocar alterações tão profundas que impedem o normal aproveitamento dos alimentos e levam ao aparecimento dos sintomas. São sintomas da DC clássica: diarréia crônica, desnutrição com déficit do crescimento, anemia ferropriva não curável, emagrecimento e falta de apetite, distensão abdominal (barriga inchada), vômitos, dor abdominal, osteoporose, esterilidade, abortos de repetição, glúteos atrofiados, pernas e braços finos, apatia, desnutrição aguda que podem levar o paciente à morte na falta de diagnóstico e tratamento.

T. TRATAMENTO: O único tratamento para os portadores de DC é a retirada completa do Glúten da alimentação por toda a vida. E se a dieta não for seguida, com o corte completo do glúten, a doença vai se tornando crônica e outras doenças vão surgindo. Logo, esse paciente tem comprometimento sistêmico e requer a assistência de uma equipe multidisciplinar.


U. ULCERAS AFTOSAS (AFTAS): Afta ou úlcera aftosa recorrente pode aparecer mais freqüentemente em portadores de DC, caracterizada pelo aparecimento de úlceras dolorosas na mucosa bucal, as quais podem ser múltiplas ou solitárias. As aftas são lesões ulceradas: há exposição do tecido conjuntivo, que é rico em vasos e nervos, o que provoca dor.


V. VILOSIDADES: O intestino delgado possui vilosidades, algo semelhante a pregas, que faz com que a área de absorção de nutrientes obtidos através da alimentação seja maior. O intestino do celíaco que ingere glúten apresenta uma diminuição das vilosidades, acarretando na dificuldade de absorção de nutrientes, principalmente gordura, cálcio, ferro e ácido fólico.


W. WHISKY: Os celíacos adultos não podem consumir whisky nem cerveja pois ambos contém malte e este possui GLÚTEN na sua composição.

X. X, heterocromossomo sexual, se apresenta formando um para nas células das fêmeas (mulheres possuem o par de cromossomos 23 XX).


Y. Y, heteorocromosso menor que X, com quem forma o par 23 no sexo masculino (Xy).

Z. ZINCO: O zinco é um micronutriente presente em alguns alimentos e faz-se necessário  no sistema imunológico. Além disto, o zinco colabora com funções importantes no nosso organismo como reprodução, participa de algumas reações químicas, entre outras funções. Os portadores de DC podem apresentar baixo nível de Zinco no organismo.Algumas fontes deste mineral são:
carnes, sendo que as vermelha tem maior quantidade, cereais integrais, oleaginosas (castanha do pará, castanha do caju, nozes, amendôas), sementes, leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha).

 

Empresas que

apoiam o Projeto

"Celíacos na UEZO"

 

 

 

 

 

Organizações

 que apoiam o projeto
"Celíacos na UEZO":

Site www.riosemgluten.com

 

 

 

Licença Creative Commons
This work by www.riosemgluten.com is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.

                                                                                                                                Última atualização: 12 julho, 2014