Home          Doença Celíaca e Sensibilidade ao glúten           Quem somos        Fale Conosco         

 

Doença Celíaca

Manual do Celíaco
Perguntas freqüentes
Materiais p/ Download
Sensibilidade ao glúten
Dieta sem Glúten
Dermatite Herpetiforme

Doença Celíaca e problemas bucais

Doenças associadas
Doenças Autoimunes
Diabéticos
Autistas
Síndrome de Down
Epilepsia
Alergia X Intolerância
Receitas sem Glúten 1
Receitas sem Glúten 2

Receitas para

Máquina de pão

Receitas diet s/ Glúten

Produtos sem Glúten

Artigos Científicos
Artigos traduzidos
Livros publicados
Espaço Infantil
Leis e Documentos

Orientação para Restaurantes

 

 

 

Links Importantes:

clique para conhecer

 

 

Coleção de

 textos sobre glúten

 

 

RIO SEM GLÚTEN

no

Instagram

@rio_sem_gluten

 

 

RIO SEM GLÚTEN

no

Facebook

www.facebook.com/riosemgluten

 

 

ACELBRA

Associção dos Celíacos do Brasil

 

 

Portal da

FENACELBRA 

 

 

Página da

ACELBRA-RJ

Associação de Celíacos do RJ

 

 

 

 

Laboratórios para análise de presença de glúten em alimentos:

 

LABCAL - UFSC

www.labcal-cca.ufsc.br/

labcal@cca.ufsc.br

 

 Rod. Ademar Gonzaga, 1346 Itacorubi  Florianópolis - SC CEP 88034-001

TEL (48) 3721-5391 

(48) 3721-5392 

FAX (48) 3334-2047

 

 

Food Intelligence - SP

www.foodintelligence.com.br

 

LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS LTDA

Rua Pássaros e Flores, 141 Bairro Jardim das Acácias

São Paulo - SP

CEP 04704000

Tel (11) 5049.2772

Fax (11) 5049.2100

 

 

CEREAL CHOCOTEC - ITAL

http://www.ital.sp.gov.br/cerealchocotec/

Laboratório de Análise de Alimentos

chocotec@ital.sp.gov.br ,
cerealchocotec@ital.sp.gov.br

Av. Brasil, 2880
Campinas - SP
CEP 13070-178

TEL (19) 3743-1960

(19) 3743-1961

FAX (19) 3743-1963

 

 

 

 

 

RECEITAS sem glúten

Blogs:

 

Sabores da Cozinha
sem glúten

(Josy Gomez)

 

Cozinhando sem glúten

(Gilda Moreira)

 

Receitas sem glúten e sem leite da Claudia Marcelino


 

My Delishville

Receitas sem glúten da

 Leila Zandona

 

                                                                                                                 

Alergias: as intolerâncias



As alergias e intolerâncias alimentares produzem sintomas semelhantes, mas envolvem mecanismos diferentes.

As intolerâncias alimentares são causadas pelo sistema imunológico, que reage de maneira anormal a um determinado alimento ingerido. Determinar que um alimento faz bem a todos é um grande erro. O que faz bem a uns pode causar sérios problemas a outros.

Todos sabemos que os alimentos são indispensáveis à vida, pois fornecem-nos as substâncias necessárias para o nosso desenvolvimento e para a manutenção da nossa vida diária. No entanto, estes só podem ser utilizados pelo organismo após a sua digestão e absorção.

Há, contudo, alguns indivíduos que não suportam determinados alimentos e quando isso acontece diz-se então que existe uma intolerância alimentar a um certo alimento, que pode ser ao peixe, ao marisco, ao leite, ao glúten. No caso do glúten, pode-se também chamar de doença celíaca.

O glúten é a principal proteína presente no trigo, centeio, cevada e aveia, cereais amplamente utilizados na composição de alimentos.

«Existe intolerância alimentar quando determinadas pessoas consomem produtos que contêm glúten e, após esta substância ter entrado em contacto com a mucosa intestinal, vai desencadear uma reacção.

Em primeiro lugar dirigida contra as próprias células intestinais, mas que pode ser também contra outros órgãos, e leva a que haja uma alteração da função do intestino, um atrofiamento das células de absorção», afirma o Dr. Gonçalo Cordeiro Ferreira, pediatra no Hospital de Amadora-Sintra.

A predisposição genética é a principal causa apontada para a existência desta intolerância e para o desenvolvimento da patologia.

É uma doença que se pode manifestar em qualquer idade, desde que o glúten já tenha sido incluído na sua alimentação, embora, na maioria dos casos, surja durante os primeiros anos de vida de uma pessoa.

Habitualmente, os primeiros sintomas surgem no segundo ou terceiro semestre de vida, entre os 6 e os 20 meses de idade, algum tempo depois da introdução das farinhas, do trigo, pão ou bolachas na alimentação.

«A criança começa a perder o apetite, torna-se irritável e triste, deixa de aumentar de peso, há o aparecimento de uma diarreia e a barriga torna-se mais saliente e distendida», descreve Gonçalo Cordeiro Ferreira.

Se o diagnóstico não for feito nesta fase e a dieta específica não for iniciada, a situação pode-se agravar e a criança pode atingir estados de malnutrição muito grave.

Num pequeno número de casos, a doença pode manifestar-se de forma diferente. Às vezes aparecem vómitos de repetição, dores abdominais de intensidade variável, obstipação ou, apenas, um simples atraso no crescimento, sem razão aparente. Situações que só um especialista associa à doença celíaca e que podem levar algum tempo a serem diagnosticadas.

Um diagnóstico correcto

Para se chegar ao diagnóstico da doença celíaca são realizados exames especializados que analisam se o intestino está absorvendo adequadamente os alimentos.

«É feita uma pesquisa de anticorpos “marcadores“ da doença celíaca, o antigliadina, o antiendomísio e o antitransglutaminase tissular, o qual provavelmente está na base dos mecanismos patológicos da doença.

Estes anticorpos prestam-se, além de marcadores diagnósticos, à investigação de familiares e indivíduos de risco, e como marcadores da transgressão dietética, pois estão associados à persistência de actividade da doença», refere o nosso entrevistado, acrescentando ainda que, «se os anticorpos forem positivos, deve-se fazer uma biopsia intestinal.

É absolutamente necessário e indispensável fazer este exame para se alcançar o diagnóstico correcto».

Uma vez feito o diagnóstico, o paciente deve eliminar da sua alimentação qualquer alimento que contenha glúten.

A dieta sem glúten é a base do tratamento, embora na criança haja, durante o seu crescimento, pequenas alterações.

«Na criança, a dieta é feita, inicialmente, durante dois anos, depois há uma provocação, ou seja introduz-se novamente o glúten na dieta e espera-se que a criança tenha uma recaída, quer nas análises, quer pelo reaparecimento de sintomas.

Entre a dieta e a provocação repete-se a biopsia, para ver se está tudo dentro dos parâmetros normais e, depois da provocação, faz-se uma terceira biopsia, que deve revelar alterações intestinais e aí faz-se o diagnóstico definitivo da doença», esclarece Gonçalo Cordeiro Ferreira.

Em muitos casos, à medida que o tempo passa, os sintomas relacionados com as falhas na dieta vão-se tornando cada vez mais discretos e às vezes quase que desaparecem.

Mas isto não quer dizer que o doente esteja curado, como erradamente algumas pessoas pensam, podendo apresentar disfunções de outros órgãos extradigestivos, como anemia, infertilidade, abortos frequentes, alterações do fígado, das articulações, diabetes ou problemas dermatológicos.

A intolerância ao glúten é para a vida inteira, mas, apesar das muitas limitações, o doente celíaco consegue levar uma vida inteiramente normal.

 

A responsabilidade editorial e científica desta informação é da


 

 

 

Empresas de Celíacos e suas famílias:
clique nas imagens

                               

Clube Gluten Free Land!

O primeiro clube de assinatura de alimentos sem glúten,

sem lactose e

até mesmo veganos,

desenvolvido por celíacos, como você.

Entregas em todo o Brasil!

 

Loja Virtual - produtos s/ glúten

Entregas p/ todo o Brasil

 

 

Loja Virtual - produtos s/glúten

Entregas em todo o Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
This work by www.riosemgluten.com is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.

                                                                                                                                Última atualização: 11 setembro, 2017