Home          Doença Celíaca e Sensibilidade ao glúten           Quem somos        Fale Conosco         

 

Doença Celíaca

Manual do Celíaco
Perguntas freqüentes
Materiais p/ Download
Sensibilidade ao glúten
Dieta sem Glúten
Dermatite Herpetiforme

Doença Celíaca e problemas bucais

Doenças associadas
Doenças Autoimunes
Diabéticos
Autistas
Síndrome de Down
Epilepsia
Alergia X Intolerância
Receitas sem Glúten 1
Receitas sem Glúten 2

Receitas para

Máquina de pão

Receitas diet s/ Glúten

Produtos sem Glúten

Artigos Científicos
Artigos traduzidos
Livros publicados
Espaço Infantil
Leis e Documentos

Orientação para Restaurantes

 

 

 

Links Importantes:

clique para conhecer

 

 

Coleção de

 textos sobre glúten

 

 

RIO SEM GLÚTEN

no

Instagram

@rio_sem_gluten

 

 

RIO SEM GLÚTEN

no

Facebook

www.facebook.com/riosemgluten

 

 

ACELBRA

Associção dos Celíacos do Brasil

 

 

Portal da

FENACELBRA 

 

 

Página da

ACELBRA-RJ

Associação de Celíacos do RJ

 

 

 

 

Laboratórios para análise de presença de glúten em alimentos:

 

LABCAL - UFSC

www.labcal-cca.ufsc.br/

labcal@cca.ufsc.br

 

 Rod. Ademar Gonzaga, 1346 Itacorubi  Florianópolis - SC CEP 88034-001

TEL (48) 3721-5391 

(48) 3721-5392 

FAX (48) 3334-2047

 

 

Food Intelligence - SP

www.foodintelligence.com.br

 

LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS LTDA

Rua Pássaros e Flores, 141 Bairro Jardim das Acácias

São Paulo - SP

CEP 04704000

Tel (11) 5049.2772

Fax (11) 5049.2100

 

 

CEREAL CHOCOTEC - ITAL

http://www.ital.sp.gov.br/cerealchocotec/

Laboratório de Análise de Alimentos

chocotec@ital.sp.gov.br ,
cerealchocotec@ital.sp.gov.br

Av. Brasil, 2880
Campinas - SP
CEP 13070-178

TEL (19) 3743-1960

(19) 3743-1961

FAX (19) 3743-1963

 

 

 

 

 

RECEITAS sem glúten

Blogs:

 

Sabores da Cozinha
sem glúten

(Josy Gomez)

 

Cozinhando sem glúten

(Gilda Moreira)

 

Receitas sem glúten e sem leite da Claudia Marcelino


 

My Delishville

Receitas sem glúten da

 Leila Zandona

 

 

          Síndrome de Down e Doença Celíaca

by Dr. Len Leshin, MD, FAAP

tradução: Ana Maria Xavier

Estudos nos anos noventa indicaram que as crianças com Síndrome de Down possuem  um risco mais alto de desenvolver Doença Celíaca  do  que a população geral. As razões para isso não estão completamente claras, mas as crianças com Síndrome de Down  tem um risco maior  de desenvolver doenças auto-imunes, como é o caso da Doença Celíaca .  Estudos da  Europa  mostraram que  a porcentagem de crianças com Síndrome de Down que tem DC  variam de 7% a 16%. Um estudo americano ( Costa Oriental)  mostra 4 a 5% de crianças com Síndrome de Down que apresentam  DC , mas quase todas eram Caucasianas, assim este grupo era principalmente de herança européia.  Outro estudo americano feito no EUA  ( sudeste) encontrou  7% das crianças com Síndrome de Down  positivas para DC.

O intestino delgado tem muitas funções, uma das quais é absorver os nutrientes da nossa alimentação.A doença celíaca surge quando sua cobertura interior fica prejudicada devido à exposição ao glúten, a proteína encontrada no trigo, cevada e centeio (a aveia pode ser incluída, por ser freqüentemente contaminada com glúten proveniente de outros grãos durante a moagem). O intestino delgado se torna incapaz de absorver água e nutrientes, provocando vários e diferentes sintomas.

Por que uma criança contrai a doença celíaca?

Primeiro, ela começa apenas após exposição ao glúten.Segundo, geralmente existe uma predisposição genética que ataca a "sensível" camada interna do intestino delgado.Terceiro, certas agressões do meio ambiente ao intestino podem fazê-lo mais suscetível ao ataque do glúten, como cirurgia ou infecção no trato gastrointestinal. Seja qual for o motivo inicial, o glúten acaba causando resposta imunológica no interior do intestino delgado:quando a superfície encolhe e fica flácida, a má absorção ocorre. DC é mais comumente encontrada na Europa que nos Estados Unidos, mas estudos recentes indicam que a incidência da doença em americanos com ancestrais europeus é a mesma que na Europa. Raramente se encontra a doença em afro-caribenhos e nos que tem ascendência do Leste Asiático.

Os sinais da doença são variados, já que os sintomas podem ser severos em uns e leves em outros. A maioria  das crianças com DC tem o que se costuma chamar de "falha para florescer": ganho de peso retardado e algumas vezes também de altura. Muitas  tem diarréia que pode levar algumas crianças à desidratação, vômito, são irritáveis, podem ter falta de apetite e fezes muito mal cheirosas além de grandes e duras. Crianças que mantém DC por longos meses podem ficar com o estômago inchado e ter perda de massa muscular. Se não for tratada, a má absorção contínua causará desnutrição, anemia, osteoporose e neuropatia periférica.

O principal meio de diagnóstico para DC sempre foi biópsia do intestino delgado. Sob o microscópio o interior do intestino mostra os danos característicos da doença. Outra forma de fazer o exame é o paciente engolindo uma cápsula presa a um fio,o qual é usado para puxar a cápsula depois  de algum tempo. Muitos médicos preferem no entanto fazer a biópsia por endoscopia direta, especialmente em crianças.O interior do intestino delgado tem certas características visíveis ao microscópio, quando a DC está presente.

Já que a biópsia não é fácil ou barata, nem sempre é do interesse da criança ou da família fazê-la, então o melhor seria um simples teste sanguíneo que pudesse detectar qual das crianças  necessitaria da biópsia. Alguns exames já foram testados com resultados ineficientes como o teste para anticorpos antigliadina, já abandonados. O seguinte foi para anticorpos antiendomísio , que é superior ao antigliadina mas a interpretação depende do operador e é propenso a erro.Os testes mais recentes buscam anticorpos IgA para enzima transglutaminase (TG), uma enzina intracelular que liga a gliadina e  a processa de tal forma que inicia a sequencia autoimune na DC. Como o teste da enzina TG se tornou  muito sensível e específico para determinar DC, acabou se transformando no mais indicado especialmente para crianças, assim como para adultos que não tem sintomas da DC. Note-se que todos estes testes medem os níveis IgA de anticorpos. O problema é que a deficiência de IgA pode acorrer em pessoas com a DC,e no entanto os marcadores podem não mostrar isso, o que tipifica o "falso negativo". Por esse motivo, cada vez que se fizer o teste sanguíneo o médico deve fazer os testes para verificar os níveis totais de IgA.

É importante notar que a infecção por Giardia, um parasita microscópico encontrado no mundo inteiro, pode imitar sintomas da DC. O diagnóstico para esta infecção é feito por testes especiais  nas fezes.

O tratamento da DC é ao mesmo tempo simples e difícil :dieta sem glúten.Todo produto com trigo, cevada ou centeio fica de fora. Comumente se aconselha retirar também a aveia da dieta no começo. Isso pode ser recolocado logo que o paciente esteja melhor. Na maioria dos casos os sintomas se resolvem um duas semanas. Quanto mais a criança cresce, mais tempo se leva para conseguir manter a dieta infantil sob controle. A DC é uma doença para a vida toda; os sintomas podem reaparecer quando tudo indica que a doença foi domada, mas deve-se continuar seguindo a dieta para evitar o surgimento de doenças. Pode-se também precisar de suplementos vitamínicos para complementar a dieta sem glúten.

http://www.ds-health.com/celiac_alg.jpg 

 

 

 

 

Em breve:

lançamento de novo Apoio

a projetos que beneficiam os Celíacos do RJ

                               

Sua marca aqui!

 

Loja Virtual - produtos s/ glúten

Entregas p/ todo o Brasil

 

 

Loja Virtual - produtos s/glúten

Entregas em todo o Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Licença Creative Commons
This work by www.riosemgluten.com is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.

                                                                                                                                Última atualização: 07 agosto, 2016